Home / Oficina Filosófica / Ser altruísta traz felicidade?

Ser altruísta traz felicidade?

felicidadeDia 29/03 as 20 horas, ocorreu a segunda Oficina Filosófica no espaço Alma Serena, dessa vez, vali-me de outra metodologia e apresentei o tema a ser discutido e não pude resistir ao clássico questionamento: O que é Felicidade?

A didática usada foi sintetizar a resposta dada por um dos participantes e selecionar a com menos consenso. A pergunta então foi transformada: Ser altruísta traz felicidade?

Um dos participantes pediu a palavra e apresentou argumentos contrários à ideia de altruísmo como forma de se obter felicidade, argumentou que altruísmo não existe, pois as pessoas fazem por interesses pessoais, egoísmo e orgulho próprio, já que sempre anunciam suas “ações generosas” para serem reconhecidos como tal. Outro participante argumentou que a felicidade é um sonho, uma utopia.

Houve, também, divergência de outro quanto a etimologia da palavra altruísta, foi dada a palavra para que encontrasse uma outra que a substituísse o contexto que fora dado na resposta, mas o participante não conseguiu encontrar outra melhor e prosseguimos.

Para esclarecer, o termo ALTRUÍSMO foi criado pelo filósofo francês Augusto Comte, em oposição a egoísmo, para designar a doutrina moral do positivismo. Comte enunciou a máxima fundamental do Altruísmo: viver para os outros. (ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Martins Fontes, 2007, pg. 35)

Resumo da Discussão

A felicidade foi considerada como um valor universal, mas difícil de ser alcançada, para uns ser altruísta pode trazer satisfação, momentos felizes e sentimento de plenitude por estar colaborando com o crescimento pessoal do outro, traz vontade de sentido (passagem da potência ao ato de Aristóteles), para outros tratar-se de um valor utópico, um objeto de sonho, desejo de satisfação pessoal.

Enfim, um debate que poderia se estender noite adentro dado a complexidade do tema. As Oficinas proporcionam esse tipo de espaço, ou seja, aberto para o exercício do pensamento crítico, moral e ético, além de testar nossas habilidades cognitivas de falar e, principalmente, saber ouvir.

E você o que acha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *